Voltar

Informativo Diário

16/10/2019

COM DÓLAR FIRME, PREÇOS DA SOJA SEGUEM AVANÇANDO NO MERCADO DOMÉSTICO

Na terça-feira, o mercado interno de soja manteve o ritmo moderado nas principais praças de negociação do país. A moeda norte-americana teve mais uma sessão positiva, alcançando os níveis de R$ 4,1680 ao longo do dia e encerrando no maior nível desde o final do mês de setembro, quando fechou sendo negociada a R$ 4,17. Porém, a oleaginosa encerrou no campo negativo em Chicago, impedindo uma alta mais consistente nos preços no mercado físico. Segundo rumores, ao menos 250 mil toneladas de soja trocaram de mãos ao longo do dia no país.

RS: cotações firmes e negócios moderados no estado. No porto de Rio Grande, havia possibilidade de negócios na faixa dos R$ 90,50 por saca para entrega imediata.

PR: bons negócios seguem sendo reportados no estado e os preços seguem avançando. Na região portuária, havia possibilidade de negócios na faixa dos R$ 91,50 por saca para pagamento no mês de dezembro. Segundo rumores, ao menos 100 mil toneladas de soja paranaense trocaram de mãos ao longo do dia no país.


CHICAGO (CME/CBOT) Na Chicago Board of Trade (CME/CBOT), os contratos futuros do complexo soja fecharam mistos no grão, em queda no farelo e em alta no óleo na terça-feira. Nas posições spot, as perdas foram de 0,69% no grão e 0,99% no farelo, e ganhos de 1,30% no óleo. No melhor momento do dia, o contrato novembro/19 atingiu a máxima de US$ 9,4525 por bushel. No final da sessão, trocava de mãos a US$ 9,34 por bushel, com queda de 6,5 pontos. Por volta das 13h (Brasília), a soja operava com ganhos de até 1 ponto nos principais vencimentos. O vencimento março/20 avançava 0,75 pontos, com negócios a US$ 9,6575 por bushel.

• Após esbarrar ontem nos melhores níveis desde o início de abril, o mercado realizou lucros.

• Sinais de queda na demanda chinesa em meio ao surto de gripe suína africana ajudou a pressionar o mercado. O rebanho chinês de suínos caiu 41,1% em setembro ante igual período de 2018, segundo o Ministério de Agricultura do país. As perdas, porém, são limitadas pelo clima adverso nos Estados Unidos.

• Os números de esmagamento e inspeções de exportação divulgados hoje decepcionaram o mercado. A Associação Norte-Americana dos Processadores de Óleos Vegetais (NOPA) informou que o esmagamento de soja atingiu 152,566 milhões de bushels em setembro, ante 168,08 milhões em agosto. A expectativa do mercado era de 162,2 milhões. Em setembro do ano passado, somou 160,77 milhões de bushels.

• As inspeções de exportação norte-americana de soja chegaram a 954.881 toneladas na semana encerrada no dia 10 de outubro, conforme relatório semanal divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O mercado esperava o número em 1 milhão de toneladas.

• Na semana anterior, as inspeções haviam atingido 1.051.582 toneladas. No ano passado, em igual período, o total fora de 1.224.667 toneladas. No acumulado do ano-safra, iniciado em 1 de setembro, as inspeções estão em 5.161.002 toneladas, contra 4.804.625 toneladas no acumulado do ano-safra anterior.


CHINA As equipes de negociações da China e dos Estados Unidos voltam a conversar na próxima semana para melhorar o acordo parcial que pretende dar trégua à guerra comercial que enfrenta as maiores potências econômicas do mundo desde o ano passado, segundo a imprensa chinesa. As informações são da agência de notícias "Dow Jones". inistro chinês, Liu He, antes de "encontrar-se frente a frente".


CÂMBIO O dólar comercial encerrou a sessão de hoje com alta de 0,94%, sendo negociado a R$ 4,1660 para venda e a R$ 4,1640 para compra, no maior nível desde 24 de setembro - quando encerrou a R$ 4,17. Durante o dia, a moeda oscilou entre a mínima de R$ 4,120 e máxima de R$ 4,1680. A divisa norte-americana avançou com investidores assimilando fatores externos e internos, como as incertezas com o conflito comercial entre Estados Unidos e China e tensão com a política local. Aqui, o movimento de fluxo local também pode ter provocado uma disparada da moeda renovando máximas sucessivas na reta final dos negócios.


Fonte: CMA Group - Safras & Mercado.





Rod. BR 373 - km 400 | Candói - PR | Brasil - CEP: 85.140-000
© 2020 | Todos os Direitos Reservados. Ultramax