Voltar

Informativo Diário

18/12/2019

SOJA REGISTRA QUARTO PREGÃO CONSECUTIVO DE ALTA EM CHICAGO E PREÇOS AVANÇAM NO MERCADO INTERNO

Na terça-feira, o mercado interno de soja permaneceu em ritmo lento nas diferentes praças de negociação do país. Em Chicago, a oleaginosa segue avançando e na sessão de hoje fechou pelo quarto pregão consecutivo no campo positivo. Já o dólar, encerrou praticamente estável, pouco afetando nas cotações. Diante disso, com preços ainda pouco atrativos, os negócios permanecem escassos no país.

RS: as cotações avançaram no estado, porém o mercado permanece travado. Na região portuária, na melhor parte do dia, havia possibilidade de negócios na faixa de R$ 90,50 por saca CIF para embarque imediato e pagamento em meados de janeiro/20, porém sem contrapartida de vendas.

PR: dia de alta nos preços, mas os negócios permanecem escassos. Na região oeste do estado, as indicações estavam na faixa de R$ 85 por saca para embarque e pagamento curtos, porém não foram comercializados lotes significativos.


CHICAGO (CME/CBOT) Na Chicago Board of Trade (CME/CBOT), os contratos futuros do complexo soja fecharam em alta no grão e no óleo, e mistos no farelo na terça-feira. Nas posições spot, os ganhos foram de 0,73% no grão, 0,33% no farelo e de 2,05% no óleo. No melhor momento do dia, o contrato janeiro/20 atingiu a máxima de US$ 9,31 por bushel. No final da sessão, trocava de mãos a US$ 9,2875 por bushel, com alta de 6,75 pontos. Por volta das 14h (Brasília), a soja operava com ganhos de até 6 pontos nos principais vencimentos. O vencimento março/20 operava com ganhos de 4,75 pontos, com negócios a US$ 9,4075 por bushel.

• O mercado atingiu o melhor nível desde 8 de novembro, acompanhando o desempenho positivo do óleo de soja.

• Os congressistas americanos alteraram uma lei de gastos do governo para estender um crédito tributário para a indústria de biodiesel até 2022 e retroativamente desde quando expirou no início de 2018. A medida foi bem recebida e garantiu a alta de 2% no óleo de soja.

• A perspectiva de demanda aquecida pelo grão americano completou o cenário positivo para as cotações. Além do acordo comercial selado entre chineses e americanos, a elevação da tarifa sobre a exportação na Argentina reforçou o sentimento positivo.


CHINA O principal regulador econômico da China disse que a taxa de inflação do país, que está em ascensão, não deve ultrapassar 3% em 2019, dentro do intervalo da meta definida pelo governo no início deste ano. As informações são da agência de notícias "Dow Jones". O índice de preços no consumidor da China subiu 2,8% no período de janeiro a novembro, aproximando-se gradualmente da meta do governo, impulsionado pelos preços elevados da carne de porco, de acordo com dados do governo.


CÂMBIO O dólar comercial encerrou a sessão de hoje com alta de 0,07%, sendo negociado a R$ 4,0650 para venda e a R$ 4,0630 para compra. Durante o dia, a moeda norteamericana oscilou entre a mínima de R$ 4,0530 e a máxima de R$ 4,0790. A divisa norte-americana avançou em viés de correção após a queda de mais de 1% ontem, quando chegou a romper o nível a R$ 4,05. Na primeira parte dos negócios, porém, a moeda oscilou sem rumo único. No início dos negócios, investidores locais reagiram com mau humor aos rumores de que a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) ou algum imposto similar pode voltar.


Fonte: CMA Group - Safras & Mercado.





Rod. BR 373 - km 400 | Candói - PR | Brasil - CEP: 85.140-000
© 2020 | Todos os Direitos Reservados. Ultramax