Voltar

Informativo Diário

18/09/2020

COTAÇÕES DA SOJA SEGUEM AVANÇANDO E ATINGEM R$ 150 NO RS

Na quinta-feira, o mercado interno de soja permaneceu travado nas diferentes praças de negociação do país. A commodity teve mais um dia de lentidão e preços regionalizados no país. Na sessão de hoje, todos os referenciais operavam em alta na reabertura, pressionando as cotações no mercado doméstico e levando as indicações de compra para o patamar de R$ 150 no porto de Rio Grande. Apesar da firmeza dos preços, os agentes permanecem distantes e o mercado teve mais um dia sem negócios aparentes.

RS: as cotações permanecem firmes no estado e não foram reportados negócios significativos no estado. Na região portuária do estado, havia possibilidade de negócios na faixa de R$ 150 por saca CIF para embarque no mês de dezembro e pagamento em meados de janeiro/21, porém sem contrapartida de venda. Na safra nova, para embarque e pagamento em meados de junho/21, indicações de compra entre R$ 124,50 e R$ 125 por saca.

PR: negócios escassos e cotações firmes no estado. Para embarque em março/21 e pagamento no final de abril/21, indicações na faixa de R$ 125,50 por saca CIF na região portuária. Na região de Toledo, indicações de compra entre R$ 141 e R$ 142 por saca para embarque imediato e pagamento em meados de outubro/novembro, porém sem contrapartida de venda.


CHICAGO (CME/CBOT) Na Chicago Board of Trade (CME/CBOT), os contratos futuros do complexo soja fecharam mistos no grão e no óleo, e em alta no farelo na quinta-feira. Nas posições spot, os ganhos foram de 1,70% no grão e de 2,99% no farelo, e perdas de 0,08% no óleo. No melhor momento do dia, o contrato novembro/20 do grão atingiu a máxima de US$ 10,3225 por bushel. Ao final da sessão, trocou de mãos a US$ 10,2850/bushel. • O mercado renovou os maiores patamares em mais de dois anos hoje, impulsionado novamente pela boa demanda chinesa pela soja americana.

• As exportações semanais norte-americanas de soja ficaram em 2,457 milhões de toneladas na semana encerrada em 10 de setembro, segundo dados divulgados pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O número ficou próximo do patamar máximo das estimativas do mercado, que oscilavam entre 1,5 milhão e 2,8 milhão de toneladas.

• O destaque do relatório foi a venda de 1,49 milhão de toneladas para a China no período. Além disso, o USDA anunciou na parte da manhã mais duas operações de venda por parte dos exportadores privados, envolvendo 264 mil toneladas para a China e 360,5 mil toneladas para destinos não revelados.


CHINA A China tem um papel importante para as exportações brasileiras de produtos agrícolas, mas os demais países da Ásia também estão no foco do governo - em particular a India, por causa de sua grande população -, afirmou a ministra da Agricultura, Tereza Cristina. "A China é país importantíssimo, assim como todo o restante da Ásia, que tem população enorme e tem grande necessidade de produtos da agropecuária brasileira, ou americana - enfim, de quem tiver produto para vender", disse ela durante uma entrevista ao vivo concedida ao jornal o Estado de São Paulo.


CÂMBIO O dólar comercial fechou em queda de 0,15% no mercado à vista, cotado a R$ 5,2320 para venda - renovando o menor valor de fechamento desde 31 de julho (quando encerrou a R$ 5,2160) - após oscilar forte na segunda parte dos negócios em dia de digestão das decisões de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), do Banco Central brasileiro, Banco da Inglaterra e Banco do Japão.


Fonte: CMA Group - Safras & Mercado.





Rod. BR 373 - km 400 | Candói - PR | Brasil - CEP: 85.140-000
© 2020 | Todos os Direitos Reservados. Ultramax