Voltar

Informativo Diário

02/09/2019

DÓLAR RECUA E MERCADO DE SOJA ENCERRA SEMANA EM RITMO LENTO NO PAÍS

Na sexta-feira, o mercado interno de soja encerrou a semana calmo nas diversas praças de comercialização do país. Após sucessivos ganhos, a moeda norte-americana encerrou a semana no campo negativo. Em Chicago, a oleaginosa encerrou praticamente estável. Diante disso, as cotações ficaram predominantemente mais baixas no mercado doméstico e poucos negócios foram apontados. Destaque para a região do MATOPIBA, onde segundo rumores foram negociadas aproximadamente 350 mil toneladas na safra nova ao longo da semana.

RS: registro de preços de estáveis a mais fracos em um mercado com negócios isolados, sem volumes relevantes sendo anotados ao longo do dia.

PR: mercado com cotações mais fracas no disponível e estáveis no futuro, em sua maioria ficando apenas nominais.


CHICAGO (CME/CBOT) Na Chicago Board of Trade (CME/CBOT), os contratos futuros do complexo soja fecharam mistos no grão, em queda no farelo em alta no óleo na sexta-feira. Nas posições spot, os ganhos foram de 0,08% no grão e de 0,95% no óleo, e perdas de 0,92% no farelo.

• Na véspera do final de semana prolongados, compras técnicas garantiram a alta, com os agentes procurando um melhor posicionamento.

• As incertezas quanto ao real tamanho da safra a ser colhida nos Estados Unidos serviu de pretexto para as aquisições. Além disso, a previsão é de temperaturas baixas, que poderiam prejudicar a maturação final das lavouras e comprometer a produtividade.

• Na semana, a posição novembro acumulou valorização de 1,45%. Com isso, a desvalorização no mês de agosto foi reduzida para 1,42%. Agora são dois meses consecutivos de queda mensal em Chicago.


CHINA A China intensificou os esforços para ajudar seus consumidores a lidar com o aumento dos preços dos alimentos e prometeu elevar o suprimento de alimentos, disseram autoridades. As informações são da agência de notícias "Dow Jones". As autoridades locais deram cerca de 2,4 bilhões de iuanes (US$ 336 milhões) em subsídios aos necessitados desde abril, reportou a mídia estatal, citando a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma. A principal agência de planejamento econômico do país aumentará a quantidade de subsídios do governo se a inflação se fortalece ainda mais, segundo a mídia estatal.


CÂMBIO O dólar comercial fechou em queda de 0,69% no mercado à vista, cotado a R$ 4,1430 para venda, acompanhando o exterior mais positivo para as moedas de países emergentes e alívio local, após atuações firmes do Banco Central (BC) nos últimos dias e corrigindo as sucessivas altas da moeda, que completa seis pregões acima do patamar de R$ 4,10. Na semana, a moeda subiu 0,46% e acumula sete semanas seguidas de alta. "O preço de hoje refletiu um movimento de pressão técnica por parte dos investidores 'vendidos' em dólar que forçaram uma taxa Ptax para baixo", comenta o diretor de uma corretora local.


Fonte: CMA Group - Safras & Mercado.





Rod. BR 373 - km 400 | Candói - PR | Brasil - CEP: 85.140-000
© 2020 | Todos os Direitos Reservados. Ultramax