Voltar

Informativo Diário

24/09/2020

DÓLAR ENCOSTA NOS R$ 5,60 E MELHORES NEGÓCIOS SÃO REGISTRADOS COM SOJA

Na quarta-feira, o mercado interno de soja apresentou melhor movimentação nas diversas praças de negociação do país. O câmbio segue avançando, enfileirando a quarta sessão seguida de alta e encostando nos R$ 5,60 por dólar. Em Chicago, a commodity encerrou novamente no campo negativo e neutralizou parte dos ganhos. Com preços mais firmes, melhores negócios foram registrados com soja e, segundo rumores, pelo menos 50 mil toneladas de soja trocaram de mãos ao longo do dia no país.

RS: apenas negócios pontuais sendo negociados em um mercado com preços firmes. Na região portuária do estado, havia possibilidade de negócios até R$ 157 por saca CIF para embarque e pagamento em meados de janeiro/21, porém sem contrapartida de venda. Na safra nova, para embarque e pagamento em meados de julho/21, indicações de compra entre R$ 131 e R$ 132 por saca.

PR: cotações nominais no estado e mercado calmo. Para embarque em março/21 e pagamento no final de abril/21, indicações de compra até R$ 131 por saca CIF na região portuária. Para 2022, indicações entre R$ 120 e R$ 121. Na região oeste, indicações de compra até R$ 150 por saca para embarque imediato e pagamento em meados de novembro, porém sem contrapartida de venda.


CHICAGO (CME/CBOT) Na Chicago Board of Trade (CME/CBOT), os contratos futuros do complexo soja fecharam mistos no grão, em alta no farelo e em queda no óleo na quarta-feira. Nas posições spot, as perdas foram de 0,51% no grão e de 2,91% no óleo, e ganhos de 1,42% no farelo. No melhor momento do dia, o contrato novembro/20 do grão atingiu a máxima de US$ 10,2550 por bushel. Ao final da sessão, trocou de mãos a US$ 10,1450/bushel.

• O mercado estendeu o movimento de realização de lucros pela terceira sessão consecutiva.

• Com o clima favorecendo os trabalhos, a colheita avança nos Estados Unidos. O aumento da oferta causa pressão sazonal sobre os preços no mercado físico, reflexo do aumento nas vendas por parte dos produtores. A queda contribuiu para a correção nos contratos futuros.

• Após atingir o maior patamar em mais de dois anos na semana passada, o mercado presenta as condições ideias para fundos e especuladores liquidarem posições.

• A demanda firme limita as perdas. Hoje foram anunciadas mais duas operações de venda por parte dos exportadores privados, envolvendo 132 mil toneladas para a China e 126 mil toneladas para destinos não revelados.


CHINA A China desempenha seu papel no combate à pandemia de covid-19, disse o presidente do país, Xi Jinging, ao mesmo tempo em que defendeu a importância da Organização das Nações Unidas (ONU) e do comercio global multilateral, criticando o protecionismo e o unilateralismo. "A China desempenha seu papel no combate ao vírus", disse Xi, em discurso na Assembleia Geral da ONU nesta terça-feira (22). Segundo ele, o país possui várias vacinas em fase três de estudos clínicos, e elas serão disponibilizadas como bem público global.


CÂMBIO O dólar comercial fechou em forte alta de 2,24% no mercado à vista, cotado a R$ 5,5920 para venda, no maior valor de fechamento desde 26 de agosto e na quarta alta seguida - acumulando ganhos de 6,8% - em meio à forte aversão ao risco que prevaleceu no exterior, o que levou a moeda norte-americana a ganhar terreno de forma generalizada na sessão.


Fonte: CMA Group - Safras & Mercado.





Rod. BR 373 - km 400 | Candói - PR | Brasil - CEP: 85.140-000
© 2020 | Todos os Direitos Reservados. Ultramax