Voltar

Informativo Diário

12/07/2019

MERCADO REAGE TIMIDAMENTE AOS NÚMEROS DO USDA E SOJA TEM DIA DE PREÇOS MISTOS

Na quinta-feira, o mercado interno de soja manteve o ritmo lento nas diferentes praças de negociação do país. Apesar da tímida reação do mercado frente ao relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a oleaginosa registrou seu quarto pregão consecutivo de alta e as cotações avançaram em boa parte das regiões. Entretanto, a moeda norte-americana encerrou com ligeira perda, impedindo uma alta mais consistente nos preços no mercado doméstico. Segundo rumores, aproximadamente 25 mil toneladas foram negociadas no Rio Grande do Sul, cerca de 8 mil toneladas em Minas Gerais e 5 mil em Goiás.

RS: os preços ficaram inalterados na sessão de hoje. Conforme rumores, ao menos 25 mil toneladas de soja gaúcha trocaram de mãos ao longo do dia no estado.

PR: cotações avançando e poucos negócios reportados no estado. No porto de Paranaguá, houve indicações na faixa dos R$ 80,50 para pagamento no mês de agosto. Para entrega em outubro com pagamento em meados de novembro, as indicações estavam na faixa dos R$ 81,50.


CHICAGO (CME/CBOT) Na Chicago Board of Trade (CME/CBOT), os contratos futuros do complexo soja fecharam em alta no grão, no farelo e no óleo nesta quinta-feira. Nas posições spot, ganhos de 0,36% no grão, de 0,80% no farelo e de 0,35% no óleo.

• Avaliando o relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), o mercado subiu pela quarta sessão consecutiva.

• De maneira geral, o relatório foi altista indicando safra e estoques americanos 2019/20 abaixo do esperado pelo mercado.

• A produção 2019/20 está estimada em 3,845 bilhões de bushels, ou 104,6 milhões de toneladas. O mercado esperava uma safra de 3,850 bilhões ou 104,78 milhões de toneladas. No relatório de junho, a previsão era de 4,15 bilhões de bushels ou 112,94 milhões de toneladas. Para 2018/19, a previsão foi mantida em 4,544 bilhões ou 123,6 milhões de toneladas.

• Os estoques finais em 2019/20 estão projetados em 795 milhões de bushels, o equivalente a 21,64 milhões de toneladas, enquanto o mercado apostava em número em torno de 22,1 milhões. No relatório anterior, a previsão era de 1,045 bilhão de bushels ou 28,44 milhões de toneladas.

• Para 2018/19, o USDA reduziu sua projeção de 1,07 bilhão de bushels - 29,1 milhões para 1,05 bilhão de bushels - 28,6 milhões de toneladas. O mercado apostava em 1,038 bilhão de bushels ou 28,25 milhões de toneladas.

• O relatório projetou safra mundial de soja em 2019/20 de 347,04 milhões de toneladas. No relatório anterior, a previsão era de 355,4 milhões.

• Os estoques finais estão estimados em 104,53 milhões de toneladas. O mercado esperava por estoques finais de 110,7 milhões de toneladas. Em junho, a previsão era de 112,66 milhões.

• A projeção do USDA aposta em safra americana de 104,64 milhões de toneladas, contra 112,95 milhões previstos em junho. Para o Brasil, a previsão é de uma produção de 123 milhões de toneladas. A Argentina deverá produzir 53 milhões de toneladas.

• A produção em 2018/19 teve sua projeção indicada em 362,87 milhões de toneladas. Os estoques finais foram elevados de 112,8 milhões para 113 milhões de toneladas. O mercado apostava em número de 112,6 milhões de toneladas.

• A safra brasileira foi mantida em 117 milhões de toneladas, enquanto a produção argentina teve sua estimativa inalteradas em 56 milhões de toneladas. Nos dois casos, o mercado já apostava nestes movimentos.


CHINA O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse a China está decepcionando, ao deixar de cumprir sua promessa de comprar mais produtos agrícolas norteamericanos, como parte da retomada das negociações comerciais entre os dois países. "O México está indo muito bem na fronteira, mas a China está nos decepcionando porque não compraram os produtos agrícolas de nossos grandes agricultores que eles disseram que fariam. Espero que eles comecem em breve!", disse Trump, no Twitter. No final de junho, Trump e o presidente chinês, Xi Jinping, concordaram com uma trégua tarifária e em retomar as negociações comerciais para chegarem a um acordo. Na ocasião, Trump exigiu que a China aumentasse as compras de agricultores norteamericanos mesmo durante a negociação.


CÂMBIO O dólar comercial fechou em queda de 0,18% no mercado à vista, cotado a R$ 3,7520 para venda - na quarta queda seguida e no menor nível desde o fim de fevereiro - reagindo à aprovação do texto-base da reforma da Previdência ontem no plenário da Câmara dos Deputados. Apesar da votação expressiva (379 votos favoráveis contra 131), incertezas ainda rondam investidores que seguem atentos aos próximos passos da tramitação, com a análise dos destaques do texto e à espera da votação em segundo turno no plenário.


Fonte: CMA Group - Safras & Mercado.





Rod. BR 373 - km 400 | Candói - PR | Brasil - CEP: 85.140-000
© 2020 | Todos os Direitos Reservados. Ultramax