Voltar

Informativo Diário

14/10/2019

SOJA ENCERRA SEMANA COM FORTE ALTA EM CHICAGO E RITMO DA COMERCIALIZAÇÃO MELHORA

Na sexta-feira, o mercado interno de soja encerrou a semana com melhor movimentação nas diversas praças de negociação do país. Com importantes ganhos em Chicago, onde a oleaginosa chegou a atingir US$ 9,3925 no contrato mais ativo ao longo do dia, os agentes estiveram mais dispostos a negociar. Entretanto, a moeda norte-americana encerrou no campo negativo e as cotações tiveram oscilação mista no mercado físico. Diante disso, segundo rumores, ao menos 400 mil toneladas de soja trocaram de mãos ao longo do dia no país.

RS: mercado encerrando a semana calmo e com preços inalterados. No porto de Rio Grande, o comprador segue sinalizando R$ 90 por saca para pagamento e entrega no mês de novembro, porém sem contrapartida de venda. Em Passo Fundo, havia possibilidade de negócios na faixa dos R$ 85 por saca para embarque no mês de outubro e pagamento em novembro, mas também não foram registrados negócios relevantes.

PR: apesar do recuo das cotações, um bom volume de negócios foi reportado no estado. Na região portuária, havia possibilidade de negócios na faixa dos R$ 88 por saca para pagamento no mês de maio/20. No oeste do estado, o comprador sinalizava R$ 83 por saca para entrega imediata. Segundo rumores, ao menos 170 mil toneladas de soja paranaense trocaram de mãos ao longo do dia no país.


CHICAGO (CME/CBOT) Na Chicago Board of Trade (CME/CBOT), os contratos futuros do complexo soja fecharam mistos no grão e no farelo, e em alta no óleo na sexta-feira. Nas posições spot, os ganhos foram de 1,35% no grão, 0,92% no farelo e de 0,43% no óleo. No melhor momento do dia, o contrato novembro/19 atingiu a máxima de US$ 9,3925 por bushel. No final da sessão, trocava de mãos a US$ 9,36 por bushel, com forte alta de 12,5 pontos. Por volta das 13h (Brasília), a soja operava com ganhos de até 13 pontos nos principais vencimentos. O vencimento março/20 avançava 12,5 pontos, com negócios a US$ 9,62 por bushel.

• A possibilidade de acordo comercial entre China e Estados Unidos, após 15 meses de embate, sustentou as cotações, ampliando a alta semanal para mais de 2%.

• Os acordos parciais exigem que a China concorde com algumas concessões agrícolas e que os Estados Unidos ofereçam algum alívio sobre tarifas, acrescentou a reportagem, que também descreveu o pacto como provisório.

• As negociações comerciais entre Estados Unidos e China esta semana ocorreram em meio a expectativas sobre um "miniacordo" que potencialmente envolveria concessões antes de um entendimento maior, com a China se oferecendo para comprar mais produtos agrícolas norte-americanos ou os Estados Unidos retirando tarifas ou sua repressão à gigante de tecnologia Huawei.

• O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, disse que o governo do país teve dois dias "produtivos" de negociação comercial com a China e insinuou que houve progresso nas conversas, ao ser questionado sobre o comportamento positivo do mercado com base na expectativa de um acordo entre os dois países.


CHINA O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, disse que o governo do país teve dois dias "produtivos" de negociação comercial com a China e insinuou que houve progresso nas conversas, ao ser questionado sobre o comportamento positivo do mercado com base na expectativa de um acordo entre os dois países. "O mercado de ações está sempre certo", disse ele durante uma entrevista coletiva que havia sido convocada originalmente para anunciar que os Estados Unidos podem anunciar sanções financeiras contra autoridades da Turquia por causa da ofensiva militar do governo turno na Síria.


CÂMBIO O dólar comercial encerrou a sessão de hoje com alta de 0,70%, sendo negociado a R$ 4,0960 para venda e a R$ 4,0940 para compra. Durante o dia, a moeda norteamericana oscilou entre a mínima de R$ 4,0810 e a máxima de R$ 4,1270. Na semana, o dólar registrou alta de 0,93%. A divisa norte-americana recuou reagindo a um otimismo global dos investidores com o encontro entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o vice-premiê da China, Liu He, para mais uma rodada de negócios a respeito da guerra comercial. No fim da tarde, foi anunciado um acordo parcial entre os países adiando a cobrança de tarifas agendada para terça-feira.


Fonte: CMA Group - Safras & Mercado.





Rod. BR 373 - km 400 | Candói - PR | Brasil - CEP: 85.140-000
© 2020 | Todos os Direitos Reservados. Ultramax