Voltar

Informativo Diário

28/04/2020

COM DÓLAR VOLÁTIL E QUEDA DE CHICAGO, MERCADO DE SOJA INICIA A SEMANA CALMO NO PAÍS

Na segunda-feira, o mercado interno de soja iniciou a semana calmo nas diversas praças de negociação do país. O câmbio teve um dia bastante volátil, encerrando com ligeiros ganhos. Em Chicago, a commodity voltou a fechar no campo negativo, atingindo a mínima de US$ 8,2725 ao longo do pregão. Diante disso, somente negócios pontuais foram reportados ao longo do dia no país.

RS: preços inalterados e negócios razoáveis reportados. Na região portuária, no melhor momento do dia, havia possibilidade de negócios na faixa de R$ 110 por saca CIF para embarque e pagamento em meados de julho/agosto deste ano. Ao todo, pelo menos 50 mil toneladas de soja trocaram de mãos ao longo do dia.

PR: as cotações recuaram no estado e negócios moderados foram reportados. Na região portuária, no melhor momento do dia, havia possibilidade de negócios entre R$ 110 e R$ 111 por saca CIF para embarque e pagamento em meados de julho deste ano. Para embarque no mês de fevereiro/21 e pagamento em abril/21, o comprador oferecia entre R$ 101 e R$ 102 por saca.


CHICAGO (CME/CBOT) Na Chicago Board of Trade (CME/CBOT), os contratos futuros do complexo soja fecharam em queda no grão, no farelo e no óleo na segunda-feira. Nas posições spot, as perdas foram de 0,39% no grão, de 0,83% no farelo e de 0,23% no óleo. No melhor momento do dia, o contrato maio/20 atingiu a máxima de US$ 8,3875 por bushel. No final da sessão, trocava de mãos a US$ 8,29 por bushel, com queda de 3,25 pontos.

• O mercado tentou esboçar uma reação, mas a forte queda do petróleo e o desempenho negativo do trigo e do milho pesaram sobre os contratos.

• Outro fator de pressão foi a valorização do dólar frente ao real, tornando a soja brasileira mais competitiva no mercado. As perdas só não foram maiores devido ao resultado positivo das inspeções de embarques norte-americanas.

• As inspeções de exportação norte-americana de soja chegaram a 555.748 toneladas na semana encerrada no dia 23 de abril, conforme relatório semanal divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). Analistas esperavam o número em 450 mil toneladas.

• Na semana anterior, as inspeções haviam atingido 551.265 toneladas. No ano passado, em igual período, o total fora de 507.750 toneladas. No acumulado do ano-safra, iniciado em 1 de setembro, as inspeções estão em 33.478.423 toneladas, contra 31.538.846 toneladas no acumulado do ano-safra anterior.


CHINA Os casos diários de infecção pelo novo coronavírus na China subiram em três, para 82.830, segundo a Comissão Nacional de Saúde do país. Já as mortes somaram 4.633, nenhuma a mais do que ontem. Entre os novos casos, dois são importados, ou seja, de pessoas que se contaminaram fora do país, e um é uma transmissão local, mostram os dados das autoridades chinesas. Nenhum novo caso foi registrado na província de Hubei, onde o vírus foi detectado pela primeira vez, em dezembro do ano passado, mantendo o número de infectados em 68.128. A província também não reportou nenhuma morte a mais, mantendo o total de óbitos em 4.512.


CÂMBIO O dólar comercial encerrou a sessão em alta de 0,12%, sendo negociado a R$ 5,6680 para venda e a R$ 5,6660 para compra, renovando a máxima histórica de fechamento de sexta-feira, de R$ 5,6610. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,5340 e a máxima de R$ 5,7250. A divisa norte-americana fechou com ligeiros ganhos, engatando o quinto dia seguido de valorização e renovando máxima histórica pelo quartão pregão consecutivo. Em dia de volatilidade, as atuações do Banco Central (BC) conseguiram segurar a moeda em meio à cautela local com as incertezas políticas.


Fonte: CMA Group - Safras & Mercado.





Rod. BR 373 - km 400 | Candói - PR | Brasil - CEP: 85.140-000
© 2020 | Todos os Direitos Reservados. Ultramax